via Portofobia? – Rui Moreira – Correio da Manhã.

Há qualquer coisa na pronúncia dos jornalistas televisivos do Porto que parece não agradar aos editores dos ‘telejornais’ em Lisboa. Há dias, quando assinei com o primeiro-ministro um acordo que veio encerrar velhos diferendos entre a cidade e o Estado central, tive a certeza de que assim era. Todas as televisões cobriram o acontecimento, que mereceu um cuidado trabalho por parte dos jornalistas presentes. Como sempre, lá fizeram as suas peças, que foram passando, no cabo, nas estações de notícias. Mas, ao jantar, o tema não apenas foi relegado para o meio dos noticiários como, no caso da RTP, se resumiu a uns segundos de imagem e a um texto lido pelo apresentador do Telejornal. A prática é comum aos três canais generalistas, mas é sistemática no Telejornal da RTP. Um cano que rompe em Lisboa – coisa que acontece com frequência – ocupa largos minutos de prime-time televisivo, merecendo relato jornalístico a opinião do senhor do café, do turista acidental e da senhora do 3º esquerdo, que sempre assegura nunca ter visto nada assim. Mas se a notícia vem do Porto é logo alvo de melhor resumo por parte da edição lisboeta, levando, em cima, a voz do pivô e vendo-se reduzida aos segundos indispensáveis. A defesa do Centro de Produção do Porto da RTP já me mereceu várias tomadas de posição. A descentralização da produção de conteúdos é importante por uma questão de desenvolvimento para as regiões, de equidade e de serviço público. Saúdo, por isso, que esse centro e que as delegações das outras TV estejam a funcionar e que neles se continue a fazer algum investimento. Mas não consigo entender que, estando feito esse esforço, a voz e pronúncia dos competentes jornalistas do Porto normalmente se perca na viagem digital até Lisboa. E não vale a pena dizer que a peça, íntegra e como foi feita no Porto, passou no canal de notícias três ou quatro vezes, porque o país do ‘canal aberto’ que assiste ao Telejornal não pode ser mais curto do que o do ‘cabo’. Muito menos a televisão pública se pode envergonhar da pronúncia de uma parte dos seus jornalistas.

Ler mais em: http://www.cmjornal.xl.pt/opiniao/colunistas/rui_moreira/detalhe/portofobia.html

Anúncios