Pesquisar

detritus toxicus

Curadoria de conteúdos

Mês

Julho 2015

“I see dead people!”

via Why Some People See Ghosts and Other Apparitions | Psychology Today.

In the 2013 science-fiction thriller, Gravity, Sandra Bullock plays an astronaut who gets stranded in a capsule in space following a catastrophe in which she is the apparent lone survivor. Cold, frightened, and alone, she resigns herself to her fate and shuts down the cabin’s oxygen supply to commit suicide. As she begins to lose consciousness, she is visited (or is she?) by the astronaut played by George Clooney, whom she believed to be dead. He gives her a pep talk and a survival plan—and then he leaves. She eventually realizes that Clooney’s visit did not really happen, but the experience still gives her the strength to continue on. By following “his” plan, she is able to survive what seemed to be a hopeless situation.

The movie was science fiction, but the encounter that Bullock’s character has with a “being” who appears in a moment of desperation is a human experience far more common than you might think. Psychologists refer to this experience as the “sensed presence.”

The sensed presence usually happens to individuals who have become isolated in an extreme or unusual environment, often when high levels of stress are involved. These individuals report a perception or feeling that another person is there to help them cope with a hazardous situation. The vividness of the presence can range from a vague feeling of being watched to a clearly perceived, seemingly flesh-and-blood entity such as Clooney’s character in Gravity. This entity might be a god, a spirit, an ancestor, or someone personally known to the observer. Sensed presences usually appear in environments with little variation in physical and social stimulation; low temperature is also a common ingredient.

Possible explanations for a sensed presence include the motion of boats, atmospheric or geomagnetic activity, and altered sensations and states of consciousness induced by changes in brain chemistry triggered by stress, lack of oxygen, monotonous stimulation, or a buildup of hormones. Environmental psychologist Peter Suedfeld also thinks that what we do cognitively changes under these circumstances and may play a role.

Suedfeld proposed that we normally spend most of our time attending to and processing external, ambient stimuli from the physical world surrounding us. However, persistent exposure to stimuli that we are evolutionarily unprepared to process, or a lack of change in our surroundings, may cause us to focus more within ourselves, which most of us are much less experienced at doing.

Most likely, the experience of the sensed presence is the result of many of these factors interacting at once.

Some of the most compelling descriptions of sensed presences come from lone sailors who have experienced hallucinations and out-of-body experiences. In one famous incident, Joshua Slocum, the first person to circumnavigate the globe single-handedly, swore that he saw and spoke with the pilot of Columbus’s ship the Pinta. He claimed that the pilot steered his boat through heavy weather as Slocum lay ill with food poisoning. Many other startling, vivid examples of such apparitions reported by sailors, mountain climbers, and polar explorers are described in a 1987 article by Suedfeld and Mocellin. These include recurring reports by polar explorers that they felt as if someone was following them on their treks; Mt. Everest climbers stranded in snow holes hallucinating rescuers; and survivors of sinking ships counting extra persons in their lifeboats.

Wikimedia Commons/Public Domain
Source: Wikimedia Commons/Public Domain

Although sensed presences are most frequently reported by people in weird or dangerous places, it is not unreasonable to assume that such experiences can happen in more mundane surroundings. For example, grievingindividuals who have lost a loved one on whom they depended greatly may shut themselves off from social contact with others and rarely leave their homes. Theloneliness and isolation, coupled with high levels of stress and unchanging sensory stimulation, might very well produce the same biological conditions that could trigger a “visit” from the recently departed.

The phenomenon of the sensed presence may account for some religiousexperiences as well. Such episodes often occur following extended periods ofmeditation and internal reflection and may be facilitated by unusual and intense physical stimulation. Early religious figures such as Moses, Jesus, and Mohammed all reportedly met supernatural beings while wandering in the desert; indeed, fasting, prolonged meditation, and stimulation of the body through pain and fatigue are part and parcel of most religions.

Many societies feature a period of isolation and unusual environmental stimulation as a rite of passage from adolescence to adulthood. The transcendental altering of consciousness may be an important part of such experiences, as well as physical hardship or even torture. In such rituals, sometimes referred to as vision quests or spirit quests, seekers hope to encounter a spirit or being that will provide them with guidance and advice. In some Native American tribes, a young man would receive his adult name from such a being during his vision quest. These spirit quests involve solitude in harsh environments or intense sensory bombardment—drumming, sweating, chanting, or dancing—in a confined area. Both approaches to the quest have included starvation, thirst, and sleeplessness as means of further altering arousal levels and conjuring an encounter with a spirit.

The sensed presence is a very real, perceptual experience for those individuals who have experienced it, and it can be very hard to convince them that it was anything other than what they believe it to be. When evaluating self-reports from individuals who have had an extraordinary experience, ranging from an alien abduction to a visit from a supernatural being, it may be difficult to know how to proceed. There are really only three possibilities:

  1. The event really happened, just as the person has reported.
  2. The person truly believes that the event has happened, but it has not.
  3. The person is fabricating a story for some reason.

The best we can do under the circumstances is to evaluate the relative probability of each of these options and choose the one that appears most likely.

Further Reading

  • Furst, P. T. (1977). “High states” in cultural-historical perspective.  In N. W. Zinberg (Ed.), Alternate states of consciousness.  New York: The Free Press.
  • McAndrew, F. T. (1993). Environmental psychology. Belmont, CA: Brooks/Cole.
  • Suedfeld, P. (1980). Restricted environmental stimulation: Research and clinical applications.  New York: John Wiley and Sons.
  • Suedfeld, P., & Mocellin, J. S. P. (1987). The “sensed presence” in unusual environments. Environment and Behavior, 19, 33-52.
  • Weil, A. T. (1977). The marriage of the sun and the moon.  In N. E. Zinberg (Ed.),Alternate states of consciousness. .  New York: The Free Press.

Educação: PS quer suspender prova de avaliação de professores

via Educação: PS quer suspender prova de avaliação de professores – Observador.

O PS apresentou esta quarta-feira o programa eleitoral para as legislativas de 2015. Na área da Educação e formação de adultos são várias as propostas desenhadas pelo socialistas, nomeadamente, a suspensão imediata da prova de avaliação dos professores – que será revista- e a alteração das regras dos concursos de colocação dos professores, que deverão “garantir uma maior estabilidade do corpo docente”. Peso dos exames nacionais na avaliação dos alunos também será alterado, garante Costa.

  • Mudar as disciplinas dos três ciclos do ensino básico:“Promover uma maior articulação entre os três ciclos do ensino básico, redefinindo progressivamente a sua estrutura de modo a atenuar os efeitos negativos das transições entre ciclos, assumindo uma gestão mais integrada do currículo e reduzindo a excessiva carga disciplinar dos alunos”;

  • Reduzir a retenção escolar;

  • PS não acaba com exames nacionais, mas muda peso das diferentes avaliações: Melhorar a avaliação externa das aprendizagens, designadamente a realizada através de provas nacionais no fim de cada ciclo, aprofundando a sua articulação com a avaliação interna;

  • Gestão autónoma de currículos: “Criar condições para que as escolas e agrupamentos possam gerir o currículo nacional de forma flexível e contextualizada, utilizando os métodos, as abordagens e os procedimentos que se revelarem mais adequados para que todos os alunos possam aprender”;

  • Mexer nos concursos dos professores. Colocações por mais anos: “Garantir uma maior estabilidade do corpo docente, utilizando mecanismos de incentivo à localização de professores a zonas menos atrativas, promovendo a redução da rotação dos professores por diferentes escolas, garantindo que a colocação dos professores permite o acompanhamento dos alunos durante um ciclo de ensino”;

  • Suspensão da avaliação de professores: “Rever o processo de recrutamento de educadores e professores, suspendendo a realização da chamada Prova de Avaliação de capacidades e Conhecimentos e procedendo à reponderação dos seus fundamentos, objetivos e termos de referência”;

  • Assegurar o funcionamento da escola pública a tempo inteiro até aos 14 anos

    ;

PAF – Programa eleitoral (tópico: Educação)

Documento completo em http://mediaserver2.rr.pt/NEWRR/29-07-2015_20_46_21_Portugal_%C3%A0_Frente_-_Agora_Portugal_pode_mais1445d76c.pdf

Seguem-se apenas alguns tópicos:

Os princípios de autonomia das escolas e de descentralização do sistema educativo continuarão a ser instrumentos estruturantes das políticas públicas de educação, respeitando e valorizando a diferenciação dos projetos educativos, bem como a diversificação das estratégias, com vista a melhor responder às características dos alunos e dos contextos sociais locais. Respeitar, valorizar e integrar as dinâmicas das escolas, dos municípios e das comunidades, é o caminho que permite concretizar o princípio da liberdade de educação em todas as suas expressões.

O Ministério da Educação, enquanto principal instância reguladora do sistema de ensino, deverá centrar a sua ação na conceção do curriculum nacional, na promoção da avaliação, na introdução de inovação no sistema, no acompanhamento do desempenho escolar, na auditoria e inspeção das organizações escolares, no financiamento e monitorização dos recursos educativos.

Reforçar a autonomia das escolas na definição dos instrumentos e dos planos de redu- ção do insucesso e abandono escolares, especialmente pelo ajustamento e execução do sistema de incentivos na atribuição de créditos horários em função dos progressos registados na redução do número de retenções, na melhoria dos resultados escolares reais, internos e externos, aferidos pela avaliação externa e na redução da desistência e do abandono.

Reforçar a contratualização da autonomia das escolas. Em concreto, defendemos a contratualização de graus crescentes de autonomia de acordo com os resultados obtidos e respeitando o princípio de tratar de forma diversa o que é diferente. Essas opções abrangerão dimensões como: constituição 16 PROGRAMA ELEITORAL COLIGAÇÃO PORTUGAL À FRENTE diferenciada de turmas, gestão do currículo, liberdade de adoção de disciplinas adicionais, processos de ensino, gestão e organiza- ção escolar, com especial foco nas matérias pedagógicas, contratação de docentes para preencher necessidades transitórias e renovação por mútuo acordo do serviço docente prestado por professores contratados.

Incentivar o uso de soluções escolares digitais. Ao longo da próxima legislatura, alargar o uso de soluções digitais nos primeiros anos de cada ciclo, de forma adequada a cada ano e respetivas disciplinas, preparando condições legislativas para adaptar a escola ao novo mundo digital. Introduzir e valorizar o ensino da programação será uma grande aposta para o futuro dos nossos jovens.

Introduzir de forma faseada, nas escolas, conteúdos em suporte digital, substituindo progressivamente os manuais escolares em suporte de papel.

O Estado tem a obrigação de assegurar a dignidade profissional e a qualidade formativa dos seus docentes e demais profissionais da educa- ção. Essa exigência deve ser extensível às diferentes etapas dos desenvolvimento profissional, a começar na formação inicial, passando pelo processo de seleção por prova de avaliação de conhecimentos e capacidades (PACC), de profissionalização, de recrutamento e de progressão nas respetivas carreiras.

Melhorar o atual modelo de avaliação docente, focando o processo sobre o trabalho desenvolvido pelo docente e pelo conhecimento por este demonstrado acerca do currículo e do modo de o por em prática – nomeadamente através da avaliação do seu portfólio profissional – e articulando com um maior investimento em formação contínua que incida especialmente na superação das dificuldades eventualmente identificadas nessa avaliação.

Desenvolver progressivamente o ensino recorrente nas diferentes regiões do país, com ofertas equivalentes às do ensino básico e secundário, oferecendo uma via para reingresso na educação e formação a todos os maiores de 18 anos que pretendam completar o 12.º ano, com possibilidade de prosseguimento de estudos.

A organização do sistema educativo orientado para o sucesso de todos os alunos e que valorize a liberdade de escolha e a diferenciação dos percursos escolares; • A reorganização dos ciclos de ensino, de forma a eliminar a excessiva segmentação potenciadora do insucesso escolar;

A diversificação da natureza institucional das escolas, nomeadamente pelo incentivo ao desenvolvimento de escolas independentes que garantam o serviço público de educação, a partir de projetos diferenciadores liderados por professores ou consórcios que integrem encarregados de educação, municípios ou IPSS. O desenvolvimento desses projetos deve fazer-se com base em concursos públicos e mediante a celebração de contratos-programa.

O desenvolvimento da política de contratos de associação, tendo em conta a importância do serviço prestado por essas escolas a muitos alunos-nomeadamente de familías desfavorecidas-e a necessidade de agir com maior efetividade nos territórios em que, tanto o abandono como o insucesso escolar, são mais relevantes.

Promover uma maior participação no ensino superior, por forma a que todos os jovens com um diploma do secundário possam aceder a um ensino superior de qualidade. Propomos que, em 2020, a participação dos jovens no ensino superior atinja os 50% e que a percentagem de diplomados (30-34 anos) atinja os 40%. Serão criadas condições para a expansão do ensino à distância (e-learning e b-learning), com garantias de qualidade e de presença internacional do melhor ensino em língua portuguesa e estabelecidos mecanismos de apoio às políticas de internacionalização das instituições;

(…)

Há vida para lá da mmorte – e é no facebook

O que fazer ao Facebook depois de morrer (agora em Portugal)

Opção chega à Europa cinco meses depois dos EUA. Utilizador pode decidir apagar a conta ou pedir a alguém que a mantenha activa como um memorial.

via O que fazer ao Facebook depois de morrer (agora em Portugal) – PÚBLICO.

Chama-se Legacy Contact (contacto de legado em português) e já está disponível em alguns países desde Fevereiro mas chega agora à Europa. A opção permite decidir o que fazer a um perfil quando o utilizador morre, incluindo apagá-lo ou delegar a alguém a função de gerir a conta.

Até há cinco meses, o Facebook apagava a conta de um utilizador quando informado da sua morte ou deixava-a intacta, permanecendo visíveis os últimos posts publicados, quando não era alertado para o desaparecimento da pessoa.

Através de “contacto de legado”, o utilizador maior de 18 anos pode escolher entre amigos ou familiares com conta no Facebook quem passa a gerir a conta após a morte em formato memorial. “Esta pessoa vai poder marcar uma publicação na tua cronologia, responder aos teus pedidos de amizade novos e actualizar a tua foto de perfil. Não vai poder publicar por ti nem ver as tuas mensagens”, lê-se na na opção “contacto de legado”, que se pode encontrar em definições de segurança no perfil do utilizador.

Quando os utilizadores não indicam qualquer “contacto de legado”, aplica-se o método até agora em vigência: a conta é congelada ou apagada. De qualquer modo, o resultado final acabará por ser esse, mesmo para quem o faça: o Facebook só permite um único “contacto de legado” por conta, estatuto não transmissível. Ainda que, por exemplo, a pessoa designada morra ao mesmo tempo que o proprietário da página. Após a morte do gestor, a conta fica inacessível.

A única forma de contornar esta restrição é ser designado legalmente, em testamento, como o herdeiro digital do dono do perfil. Nesse caso, o Facebook é obrigado a dar acesso. O que a rede social passa agora a permitir é a designação informal de um herdeiro, algo que o Google aceita desde 2013 – foi a primeira grande empresa tecnológica a fazê-lo, para serviços como o Gmail e a “nuvem” de armazenamento de dados online.

Afinal, o que defende Isilda Pegado? — A co-adopção e os filhos de pai incógnito – PÚBLICO

1 – Recordo bem a chaga social e o sofrimento que foi para tantos cidadãos, em geral de meios mais desfavorecidos, o estigma do “filho de pai incógnito”. O “Antigo Regime” protegia esta figura jurídica para evitar que os “senhores” manchassem a sua reputação ao “dar o nome” à criança nascida da empregada, de quem tinham “abusado”.

2 – Logo na Constituição da República Portuguesa aprovada em 1976 os deputados constituintes tiveram a preocupação de acabar com tal forma de discriminação social (art. 36.º, n.º4). E na sequente reforma do Código Civil de 1977 foi alterado o art. 1860.º, que restringia, e agora passou a impor, a “averiguação oficiosa da paternidade”. A Revolução de 1974 e consequente alteração de paradigma social teve também como mérito que o Estado se empenha directamente no direito à identificação dos progenitores de cada indivíduo. Tal direito deixou de ser apenas para alguns, e passou a ser também para os menos afortunados. Acabaram (quase) os filhos de pai incógnito. Os testes de DNA também vieram dar uma grande ajuda.

3 – Quando após a Revolução dos Cravos se pôs fim aos filhos de pai incógnito, a grande preocupação era com o filho, ou seja, a criança que tem direito à sua identidade genética e biológica. E na satisfação desse direito deve empenhar-se o Estado, a sociedade e os tribunais. É de tal forma importante este direito que o Tribunal Constitucional (Acórdão n.º 23/2006) declarou a inconstitucionalidade do art. 1817.º n.º 1 do Código Civil que estabelecia o prazo de dois anos após a maioridade, para intentar a acção para investigação da paternidade. Porque o direito a conhecer a sua identidade genética hereditária é um direito fundamental.

Por exemplo, o Código Civil Italiano diz que a todo o tempo pode ser intentada tal acção (art. 270.º). No Código Civil Brasileiro (art. 1606.º), a acção pode ser intentada durante toda a vida do filho. Também o Código Civil Espanhol (art. 133.º) e o Alemão reconhecem que durante toda a vida do filho pode ser averiguada a filiação.

O direito à integridade pessoal, o direito à identidade pessoal (art. 25.º e 26.º do CRP) são direitos fundamentais que implicam também o Direito Fundamental ao conhecimento e ao reconhecimento da paternidade, pois este representa uma referência essencial da pessoa, quer a nível biológico, quer a nível social.

Esta tem sido a posição defendida quer pelo nosso Supremo Tribunal de Justiça, quer pelo Tribunal Constitucional.

4 – Porém, nos últimos anos (poucos) voltámos a ter “filhos de pai incógnito”. Agora não pelo medo e imposição do pai, mas pelo “querer da mãe”. A mãe decide que quer ter um filho, só seu, cujo pai fique incógnito (dador anónimo) e faz inseminação artificial a partir do banco de esperma para poder gerar a criança que é “só sua”.

5 – Tal prática é proibida (art. 6.º, 19.º, 20.º) e até punida (art. 35.º) em Portugal (Lei da Procriação Medicamente Assistida) (Lei n.º 32/2006) aprovada no primeiro Governo Sócrates. Porém, apesar de tal proibição, vemos agora argumentar que a co-adopção por pares homossexuais é uma necessidade porque aquelas “crianças que só têm mãe” precisam de outra mãe. Ou as crianças que, entregues a um homem no âmbito de adopção singular, precisam agora de um outro pai (burla à lei – que proíbe a adopção por pares homossexuais – aprovada em 2010 por uma maioria de esquerda).

Assim sendo, a co-adopção vem reconhecer e legalizar práticas que estão proibidas por lei…

6 – Nenhum ser humano nasce só de um pai ou só de uma mãe. O ser humano nasce numa família, avós, tios, primos.

Quando se opina no sentido de que, caso falte a mãe à criança esta fica sem amparo, o que se está a dizer é que aquela criança não tem família biológica do lado do pai nem do lado da mãe. Apaga-se a história familiar da criança.

7 – Contudo, com a co-adopção iria “legalizar-se” os filhos deliberadamente “criados” sem pai, ou sem mãe.

No Estado Novo apagava-se o pai por uma falsa “moral”. E agora por que se apaga o pai? Há alguma moral que o justifique?

Querem fazer o favor de nos dizer a quem se destina esta lei da co-adopção?

Advogada

via A co-adopção e os filhos de pai incógnito – PÚBLICO.

Porque os jovens profissionais da geração Y estão infelizes | Demografia Unicamp

via Porque os jovens profissionais da geração Y estão infelizes | Demografia Unicamp.

Can we guess your gender based on your answer to moral dilemmas?

via Can we guess your gender based on your answer to moral dilemmas?.

O mito do colesterol – PÚBLICO

via O mito do colesterol – PÚBLICO.

O mito do colesterol

Se o aumento da taxa de colesterol é um meio que o organismo encontra para se proteger, então baixar a sua taxa com medicamentos não parece boa ideia.

Na luta contra as doenças cardiovasculares, sempre que se pensa em arteriosclerose é admitido, desde há muito tempo, que o culpado é o colesterol que se vai depositando nas artérias, entupindo-as progressivamente a uma velocidade proporcional ao seu nível no sangue. Ora a verdade é que esta teoria não repousa em nenhum dado científico bem sustentado.

Na realidade, não só a investigação comprova que três quartos das pessoas que têm o primeiro ataque cardíaco têm níveis normais de colesterol, como estudos recentes indicam que os tratamentos, em muitas situações, acabam por ser bem mais nocivos.

Reportando-nos exclusivamente aos problemas cardiovasculares, têm-se negligenciado muitas vezes a importância dos numerosos efeitos secundários provocados pelos tratamentos para baixar o colesterol, essencialmente perda de memória, fraqueza muscular e ligamentosa, impotência sexual e diabetes tipo2, alterações digestivas e hepáticas, dores de cabeça, edemas, vertigens, alterações cognitivas e alergias cutâneas.

No caso das estatinas, drogas que bloqueiam, no fígado, a enzima responsável pela produção do colesterol, essencial para a nossa sobrevivência, talvez nos dias que correm os medicamentos que mais se vendem em todo o mundo, utilizadas para baixar o colesterol total e a fracção LDL do colesterol, (sendo que este último, embora não seja mais que um transportador do colesterol do fígado, onde ele é fabricado, para os tecidos que dele têm necessidade é considerado ridiculamente “mau colesterol”, em contraponto com a fracção HDL, considerada “bom colesterol”, outro mero transportador do mesmo colesterol, dos tecidos que o utilizaram, para o fígado – a sua central de fabrico e reciclagem), o risco de diabetes e obesidade resultante da sua toma foi ainda há pouco tempo denunciado pela comunidade científica.

Assim, em Março de 2012 a Agência Europeia do Medicamentos (EMA) reconheceu a gravidade do efeito diabetogénico das estatinas e recomendou aos laboratórios que os seus efeitos secundários passem a ser claramente anotados nas normas de utilização, norma que, parece, nem sempre cumprida.

Mas não é tudo. Começa a aparecer cada vez mais evidência mostrando que as estatinas pioram também a saúde cardíaca, revelando não só que não seguras como também não são muito eficazes. Um estudo recentemente publicado, revelou, em contraste com o aquilo que é hoje comummente aceite (a redução do colesterol com estatinas diminuem a arterioesclerose), que estas drogas podem, pelo contrário, estimular a arteriosclerose e a insuficiência cardíaca(Expert Review of Clinical Pharmacology.2015 Mar;8(2):189-99).

Alguns mecanismos fisiológicos discutidos no estudo mostraram que as estatinas podem piorar a saúde do coração de várias formas:

– Inibindo a função da vitamina K2, necessária para proteger as artérias da calcificação;

– Danificando a mitocôndria, prejudicando a produção de ATP (responsável pela energia do músculo cardíaco).

– interferindo com a produção de CoQ10, como se referirá mais adiante;

– O mesmo com proteínas contendo selénium, tais como a glutationa peroxidase, cruciais para prevenir o dano oxidativo do tecido muscular.

Considerando todos estes riscos, os autores concluíram que “as epidemias da insuficiência cardíaca e arteriosclerose, quais pragas do mundo moderno, podem ser paradoxalmente agravadas pelo uso difuso de estatinas. Nós propomos que os correntes manuais de tratamento com estatinas sejam criticamente reavaliados”.

No que diz respeito às doenças cardiovasculares, em que o colesterol teima em aparecer como o mau da fita, há uma grande incerteza sobre as suas causas e têm surgido as teorias mais contraditórias.

Sabe-se que aquilo a que se chama “placa” ateromatosa, que reduz o diâmetro das artérias, é principalmente constituída por células compostas pelo tecido muscular liso das artérias (proliferarando anormalmente), cálcio, ferro e colesterol, sendo este minoritário, funcionando como um curativo qual penso reparador do desgaste provocado pela inflamação da parede das artérias, esta sim a verdadeira má da fita nesta questão da formação da placa ateromatosa e da consequente arteriosclerose. Daí a importância do seu biomarcador – a PCR (Proteína C Reativa) – estar abaixo de 0,5. Quem o tem abaixo deste valor pode comer gorduras à vontade.

Sendo assim, se o aumento da taxa de colesterol é um meio que o organismo encontra para se proteger, então baixar a sua taxa com medicamentos, estatinas ou quaisquer outros, não parece boa ideia.

Se as taxas estiverem elevadas, tal deverá ser sempre considerado como um problema essencialmente de estilo de vida, que se corrigirá, prioritariamente, modificando o comportamento e a alimentação (de relevar a toma diária de 3 gramas diários de Ómega 3).

As únicas pessoas que podem tirar partido das estatinas são as que sofrem de hipercolesterolémia familiar, uma doença rara que dá uma taxa elevada de colesterol (para cima de 330) qualquer que seja a alimentação e o modo de vida. Se se tiver que as tomar, dever-se-á tomar também CoQ10 ou ubiquinol, co-enzimas também anti-oxidantes cuja produção está igualmente bloqueada pelas estatinas.

Para reduzir o risco cardiovascular, as melhores medidas a tomar são:

– Substituir a alimentação industrial, transformada e artificial, por alimentos frescos pouco cozinhados, se possível biológicos, cultivados localmente;

– Aumentar o consumo de gorduras boas para a saúde como o abacate, peixes gordos, ovos biológicos inteiros, gordura de noz de coco, nozes, amêndoas, avelãs e azeite, de forma que o rácio entre o ómega 3 e o ómega 6 ande entre 1/1 e 1/5 (e não 1/20 como acontece com a actual alimentação ocidental);

– Optimizar a ingestão de cálcio, magnésio, sódio e potássio, optando sempre que possível por legumes biológicos;

– Monitorar a taxa de vitamina D optando pela exposição ao sol – conseguir-se-ão níveis óptimos com uma exposição de 20 minutos em pelo menos ¾ partes do corpo -, acompanhada de vitamina K2 para evitar a calcificação das artérias;

– Restaurar os níveis hormonais, principalmente da testosterona, com hormonas bio-idênticas;

– Parar de fumar e não beber mais de um copo de vinho tinto por dia;

– Fazer exercício físico regularmente;

– Cuidar da higiene bucal e dentária – as pessoas com má higiene da sua boca têm 70% de risco de desenvolver uma doença cardíaca em contraponto com as pessoas que lavam os dentes pelo menos duas vezes por dia;

-Evitar as estatinas (salvo no caso da hipercolesterolémia familiar), que fazem baixar as taxas de colesterol artificialmente, sem esforço, mas com o risco de numerosos efeitos indesejáveis, como se referiu.

– Melhorar a sensibilidade à insulina – para tal optar por um regime com índice glicémico baixo como a batata-doce (melhor que a batata), o mel (melhor que o açúcar), as leguminosas como as ervilhas, os feijões e as favas (melhor que os cereais).

Com esta finalidade, considerar também o ácido alfa-lipóico (400 mg/dia).

O colesterol é uma molécula natural produzida 70% pelo organismo, principalmente pelo fígado, (os restantes 30% provêm dos alimentos), que o utiliza como um verdadeiro cimento: ao nível dos músculos, para os reparar quando estão fragilizados depois dum exercício físico; ao nível do cérebro, para ajudar os neurónios a melhor comunicar entre si; ao nível das artérias, para as reparar quando são lesadas.

Ele é uma das substâncias mais importantes, não só indispensável à regeneração das células e à formação das suas membranas, à metabolização de vitaminas como a A, D, E e K, à produção de ácidos biliares importantes na digestão das gorduras, essencial, como se disse, para o cérebro (contém cerca de 25 % de todo o colesterol do corpo, sendo critico na formação das sinapses que permitem o pensamento, a aprendizagem e a formação da memória) como à síntese de hormonas tão vitais para a nossa existência como as hormonas sexuais – testosterona, progesterona e estrogéneo (há quem considere que ter taxas de colesterol elevado a partir dos 65 anos é sinal de longa vida e de virilidade…), as hormonas do stress – glucocorticóides como o cortisol, e à mais importante de todas – a vitamina D, como as hormonas sexuais ela também uma hormona esteróide, sendo que uma pele com níveis insuficientes de colesterol não é capaz de a produzir.

Médico, doutorado em Ciências da Educação e diplomado em medicina anti-envelhecimento

Indagatio Didactica

via Indagatio Didactica.

A Revista Indagatio Didactica constitui-se num espaço editorial da responsabilidade do Centro de Investigação Didática e Tecnologia na Formação de Formadores (CIDTFF/UA), em que a investigação, produzida fundamentalmente por académicos e professores, nacionais e internacionais, é usada e transformada para promover práticas profissionais de inovação em contextos educativos diversificados.

Trata-se de uma revista on-line, dirigida a professores e formadores, que pretende proporcionar situações de comunicação entre os autores dos textos (investigadores, formadores e professores) e a generalidade da comunidade educativa, visando o desenvolvimento do espírito de indagação e ação críticas, pela descoberta de relações entre o conhecimento criado pelo autor do texto e o conhecimento dos leitores sobre as realidades com que convivem e em que atuam.

Create a free website or blog at WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: