Teste de QI é “altamente enganador”

Medida de quociente intelectual não é suficiente para captar as diferentes capacidades cognitivas


Os investigadores criaram tarefas para medirem uma ampla variedade de capacidades cognitivas
Os investigadores criaram tarefas para medirem uma ampla variedade de capacidades cognitivas
Investigadores da Universidade Western do Canadá e do Museu de Ciências de Londres realizaram um estudo em que demonstram que medir a inteligência humana baseando-se apenas num teste standard de Quociente Intelectual (QI) é“altamente enganador”.
Mais de 100 mil participantes de todo o mundo foram submetidos – online – a testes de memória, raciocínio, atenção e capacidade de planeamento. Responderam também a questões acerca dos seus estilos de vida. Os resultados estão publicados na revista «Neuron».
O objectivo era analisar se realmente se podem medir capacidades cognitivas de uma pessoa com apenas um factor”, explica Adam Hampshire, investigador do Instituto de Cérebro e Mente da Universidade Western.
Os investigadores não acreditam que apenas o número de QI possa representar a capacidade que um indivíduo tem para recordar, raciocinar e pensar. Os resultados sugerem que os testes de QI que são utilizados há várias décadas têm “falhas básicas”, pois não têm em consideração a natureza complexa do intelecto humano.
A equipa desenhou uma série de testes com base em dados de estudos prévios realizados com scanners cerebrais. Assim, os investigadores criaram tarefas para medirem uma ampla variedade de capacidades cognitivas.


“Quando se analisa esta ampla variedade de capacidades cognitivas, as variações na execução dos participantes podem explicar-se em três componentes distintas: memória a curto prazo, raciocínio e habilidade verbal”, explicam os investigadores.

Para confirmarem os resultados, 16 participantes foram submetidos a ressonâncias magnéticas funcionais. Pôde, assim, observar-se as diferenças nas capacidades cognitivas e traçar-se um mapa das conexões neuronais envolvidas na actividade cerebral.
Os três componentes da capacidade cognitiva que se tinham achado previamente correspondiam a três padrões distintos de actividade neuronal. “Os resultados desmentem de uma vez por todas a ideia de que uma só medida como o QI não é suficiente para captar todas as diferentes capacidades cognitivas que existem entre as pessoas”, diz Roger Highfield, um dos autores do estudo.

Anúncios
Categorias: Etiquetas:

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s