Unidos pela vontade de revitalizar o Norte – “a única região que regrediu nos últimos anos”, disse ao JN – o (ainda) socialista Pedro Baptista, João Anacoreta Correia (ex-CDS-PP) e Francisco Sousa Fialho defenderam, ontem, na sessão inaugural da sede do Movimento pró-Partido do Norte (MPN), no Porto, que o Norte deve ser a primeira região-piloto.
Considerando “positivo” que o líder do PSD, Pedro Passos Coelho, tenha reconduzido à agenda política a regionalização – a pretexto do projecto de revisão constitucional – o porta-voz do MPN, Pedro Baptista, quer que “deixe de ser absolutamente necessária a simultaneidade de criação das regiões”. Por isso, “se for para criar uma região-pioloto, que seja o Norte”, disse ontem à noite, ao JN. Porque, justificou, “é a região onde há mais consenso entre os autarcas, como comprova a ‘Declaração da Alfândega’ e onde há mais massa pensante: 3,7 milhões de pessoas”. 
A regionalização é a principal bandeira do MPN, com o porta-voz (ainda filiado no PS, embora diga que “quando entender” sai) a advogar que não acarreta mais despesa pública, pois não se duplicam cargos. Basta acabar com os 23 governos civis e as CCDR (comissões de coordenação e desenvolvimento regional) “que têm um papel meramente consultivo”. 
Já Anacoreta Correia preferiu zurzir no acordo com o Paquistão que, segundo Baptista, “põe em causa dois mil empregos nos têxteis europeus e causa uma diminuição nas vendas de 18 milhões de euros anuais”. Combater o pagamento de portagens nas SCUT do Norte foi um dos tónicos da sua alocução.
Tendo já iniciado a recolha das assinaturas necessárias para se formalizar como partido, o MPN espera ter concluída a missão dentro de dois meses e pretende realizar o seu congresso constitutivo ainda no primeiro trimestre de 2011, logo após as presidenciais de Janeiro.
Anúncios