Desde 1973 que os americanos dizem que não. Por cá, e apesar da opinião do presidente do colégio de psiquiatria da Ordem dos Médicos, parece que também já não é.

Estamos em 2009.

Anúncios