Pesquisar

detritus toxicus

Curadoria de conteúdos

Passos Coelho não é racista, o seu preconceito é outro

http://www.dn.pt/opiniao/opiniao-dn/pedro-tadeu/interior/passos-coelho-nao-e-racista-o-seu-preconceito-e-outro-8706053.html

 

Pedro Passos Coelho disse num comício do seu partido que Portugal não é lugar para “qualquer um viver”. Não, não vou acusá-lo de ser racista ou de ter um discurso xenófobo, apesar de a frase ter sido dita num contexto de crítica a uma nova lei sobre imigração e, por isso, poder soar a um insulto contra estrangeiros. Essas acusações contra Passos são bem capazes de ser injustas (ou pelo menos eu quero crer que sim) e a minha pergunta, neste momento, é outra: para além dos portugueses que já vivem em Portugal (presumo que o líder do PSD não pense em excluir algum, independentemente da ascendência, sexo, raça, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica, condição social ou orientação sexual), quem são as outras pessoas que Passos Coelho acha que têm direito a viver no nosso país?

Temos uma resposta nuns novos imigrantes criados pelo seu governo, pelo executivo do seu partido coligado com o CDS: os imigrantes beneficiários dos chamados vistos gold, pessoas que investem pelo menos meio milhão de euros a comprar uma casa (mesmo que ela valha, na realidade, metade desse valor) ou transfiram para o país pelo menos um milhão de euros (mesmo que não se conheça claramente a origem desse dinheiro), criando com esse investimento um mínimo de dez postos de trabalho (cuja qualidade e perenidade não é, sejamos francos, seriamente avaliada).

Este sistema já criou processos judiciais, ainda em curso, com antigos governantes e autoridades nacionais, em vários níveis de responsabilidade, a serem suspeitos de corrupção por concessão, fora da lei, dessas licenças de imigração.

A probabilidade, entretanto, de vários dos quase (estimo com base nas notícias de jornais) dez mil licenciados com uma autorização de residência em Portugal e de circulação livre pela União Europeia terem comprado, graças àquela lei, esses direitos para praticarem crimes é quase inevitável. As possibilidades são imensas e vão desde o óbvio “lavar” de dinheiro “sujo” até ao acesso a um área gigantesca, sem fronteiras e com dinheiro, para traficar, com maior facilidade, todo o género de coisas ilegais, dando espaço para o crime sofisticado e organizado (e até, eventualmente, cúmplice do terrorismo) explorar um novo filão.

Dir-se-á que não há medida de abertura à imigração que não traga o perigo da criminalidade, que os justos não devem pagar pelos pecadores e que os benefícios para o país de medidas como a dos vistos gold ultrapassam largamente os prejuízos que estes “efeitos colaterais” que descrevo possam trazer… Sou capaz de estar de acordo com tudo isso mas, se olhar para o que Passos Coelho disse no Pontal, no último fim de semana, o criador, com Paulo Portas, da lei dos vistos gold em Portugal não pode subscrever essas teses. Porquê?…

Vamos ler o que ele disse: “Porque é que não discutem na sociedade portuguesa as implicações que para a segurança do país a médio e longo prazo isso pode trazer? Da mesma maneira pergunto: o que é que vai acontecer ao país seguro que temos sido se esta nova forma de ver, a possibilidade de qualquer um residir em Portugal, se mantiver?”

Na altura da entrada em vigor da lei dos vistos gold, no início de 2013, não faltou gente a alertar Passos Coelho para o problema de criminalidade que este tipo de imigração certamente atrairia: além de muitos políticos, vários colunistas escreveram sobre o assunto. Pois nessa altura o então primeiro-ministro não quis “discutir na sociedade portuguesa as implicações que para a segurança do país a médio e longo prazo isso pode trazer?”. E muito menos se perguntou sobre o que pode acontecer ao nosso “país seguro”.

Passos Coelho não esteve preocupado com os criminosos que viriam viver para Portugal quando aprovou a lei dos vistos gold. Agora diz estar em causa a segurança do país com as novas regras para a imigração. Na primeira lei ignorou os efeitos colaterais. Na segunda lei só vê efeitos colaterais.

Se o que diferencia os imigrantes dos vistos gold dos imigrantes da nova lei da imigração, que transpõe uma diretiva comunitária, não é a raça ou local de origem (vêm, em ambos os casos, pessoas de todo o lado) nem o serem ou não criminosos (como já se viu), o que é que leva Passos Coelho a aceitar facilmente os primeiros e a ter receio do que possa acontecer com os segundos?

Para Passos Coelho a diferença entre a lei dos vistos gold e a nova lei da imigração, como é óbvio, não é a raça, é o dinheiro.

O líder do PSD não se importou de liberalizar a imigração de ricos, mesmo se isso facilitasse a vida a alguns criminosos, mas a imigração de pobres é coisa que o aborrece, e aí a questão da segurança já lhe serve de pretexto para a tentar impedir. Isto não é mesmo racismo nem é xenofobia, isto é preconceito contra os pobres.

Anúncios

Astor Piazzolla – Libertango

Oblivion (Piazzolla)

Viral Photo Confirms Nutella Is Really Bad, But We Have a Healthy Solution

http://www.health.com/food/nutella-ingredients?xid=socialflow_facebook_health

No matter how much we hope and pray that Nutella has some hidden health benefit, the reality is, the delicious chocolate-hazelnut spread is simply not that great for us (sigh). Now a new viral photo has made that fact inescapably clear.

Reddit user MrFlow posted the image below with the caption “What Nutella is actually made of.” It shows Nutella’s top five ingredients layered in the jar.

Sugar takes up nearly half(!) the container. Palm oil, which is high in saturated fat, is the second most abundant ingredient. Skim milk powder, cocoa, and hazelnuts fill up the rest of the jar. (Missing are the emulsifier lecithin and the artificial flavor vanillin.)

We know this image is unverified, but it’s likely not far from the truth. There’s no question the spread is loaded with sugar and fat. And the striking visual is a good reminder to enjoy the beloved treat in moderation.

To satisfy your Nutella cravings, try whipping up our yummy Nutella alternative instead: The recipe calls for one avocado, raw cacao powder, maple syrup, vanilla extract, a pinch of salt—and that’s it. See how it’s made in the video below.

//players.brightcove.net/1125866826/default_default/index.html?videoId=5367080652001

You can smear this low-sugar spread on toast or apple slices; or use it as the filling in whoopie pies or s’mores. With nutritious, fiber-rich avocado as the main ingredient, the fudgy frosting is a treat you can feel good about.

http://www.health.com/food/nutella-ingredients?xid=socialflow_facebook_health

O primeiro dia do resto da vida do DN

“Jornalismo independente, mais essencial do que nunca” é o novo slogan do The New York Times.

Fonte: http://www.dn.pt/opiniao/opiniao-dn/pedro-marques-lopes/interior/o-primeiro-dia-do-resto-da-vida-do-dn-5580251.html

01 DE JANEIRO DE 201700:00

A frase diz muito sobre os tempos que atravessamos. Naquilo que diz respeito ao tipo de informação que está a moldar as opiniões e as condutas dos cidadãos, mas também sobre como o jornalismo olha para si mesmo.

O que salta logo à vista é a qualificação do jornalismo que o NYT vê como essencial: o independente. Há uns anos, não tantos como isso, a ninguém ocorreria a necessidade de dizer que o jornalismo devia ser independente. Era e é da própria essência do jornalismo sê-lo. Marcado, claro está, sempre pelos olhos de quem o faz, mas sem faltar à verdade, aos factos, à realidade.

O slogan do NYT parece conceder que há outro tipo de informação e que, de forma indireta, define como jornalismo. Não faltam textos, teses universitárias, ensaios de autores mais ou menos conceituados a discorrer sobre a essência do jornalismo e sobre se novas formas de comunicar cabem ou não no conceito. Não percebo a confusão entre meio e mensagem. Também é possível que se refira à opinião. Não na forma como nos habituamos a vê-la – como uma leitura sobre factos – mas naquilo em que se está a transformar: uma construção da realidade, como se fosse aceitável alguém dizer que uma parede é branca quando é preta, como se fosse legítimo chamar a um calhau um livro.

Li um comentário que perguntava como era possível o NYT pedir para que se apoiasse o jornalismo independente quando o jornal tinha abertamente declarado o apoio a um candidato nas eleições americanas. Claro que é possível a um jornal declarar o seu apoio a um candidato e não transigir com as normas do jornalismo, mas, mais uma vez, há nesse comentário um sinal dos tempos. Os cidadãos parecem olhar para toda a atividade, seja política, económica ou jornalística, como um campo de batalha em que cada qual escolhe a sua trincheira. Nessa luta, a verdade é meramente instrumental, os factos pouco importam. Este tipo de visão da comunidade não é novo, era e é bastante comum nos movimentos radicais. O que é recente é ter-se alargado a tantos cidadãos e à forma como eles veem o mundo: a verdade não existe e a opinião transforma-se num facto ao serviço dum dado objetivo.

Há outra forma de ler o slogan do NYT – a correta, acredito. Uma maneira de chamar à atenção do leitor da premência da independência no financiamento dos órgãos de comunicação social. Só os cidadãos de forma individual, através da compra do jornal, podem assegurar o verdadeiro jornalismo. Não há independência quando um meio de comunicação social não garante a sua sobrevivência através das vendas – que, depois, criam as receitas publicitárias. Um jornal ou uma televisão que dão sistematicamente prejuízo serão sempre vistos, justa ou injustamente, como ao serviço de causas que não o jornalismo.

Numa época em que não falta informação, o paradoxo é a ausência de informação de qualidade. Melhor, o desprezo por marcas que historicamente são garante de seriedade, de análise fundamentada, de compromisso com a verdade. Não espanta que a crise dos mediadores de informação – e o jornalismo está longe de ser caso único, basta ver a sanha com que os populistas atacam as chamadas elites intelectuais – coincida com a crise que a democracia vive. Estão profundamente ligadas. Os fenómenos populistas não florescem apenas por a democracia tardar em encontrar soluções para a falta de expectativas, por existir o sentimento de que falta democracia económica. As respostas simplistas que gente como Trump, Farage, Le Pen e outros têm para as populações partem duma sementeira de mentira. Quem tem, em primeiro lugar, de os denunciar é quem tem um compromisso com a verdade: o jornalismo. A questão está num nível superior ao da política, tem que ver com valores essenciais numa comunidade que vão para além de opções ideológicas, de direita ou de esquerda. Não é por acaso que as campanhas dos populistas combatem com mais tenacidade os media do que os seus opositores políticos, como não espanta que gastem muito dinheiro em propagar falsidades através das redes sociais e de canais de televisão e jornais que a decência não permite chamar órgãos de comunicação social. O objetivo é muito menos difundir mentiras e muito mais desacreditar o jornalismo.

O fim do jornalismo como guardião da verdade, da busca dos factos, liberto das amarras do poder político ou económico será o fim da democracia. Somos nós que temos de decidir que informação e que mediação. Se nos achamos capazes de entender todos os fenómenos e as suas implicações. Estamos em tempos de escolhas como há muito tempo não estávamos, e que não existam dúvidas: é só nossa a decisão de querermos ou não quem nos ajude a ler o mundo, jornais e gente a quem reconhecemos estudo e dedicação a assuntos a que não queremos ou não podemos dedicar tempo. Se continuarmos pelo caminho que estamos a seguir, serão outros a decidir por nós, populistas, empresários pouco escrupulosos e, no fim, ditadores.

Hoje, é o primeiro dia do resto da vida do Diário de Notícias. Mais do que os profissionais deste jornal que falharão e acertarão, mas que são gente com um compromisso com o verdadeiro jornalismo. É você, caro leitor, que decidirá o nosso futuro. Mas não se esqueça, estamos juntos neste caminho.

Richard Stallman não tem Facebook nem telemóvel. Em nome da democracia – Renascença

ENTREVISTARichard Stallman não tem Facebook nem telemóvel. Em nome da democracia21 dez, 2016 – 06:00 • Elsa Araújo RodriguesUm dos maiores programadores de todos os tempos, Richard Stallman é activista do software livre, contra os programas de código fechado “tipicamente desnonestos” e com “funções maliciosas que são desenhadas para maltratar o utilizador”.Stallman diz que vivemos “o sonho de Estaline”. Foto: WikipediaImagine viver sem conta no Facebook ou no Instagram. Agora imagine que também não tem telemóvel, não utiliza programas de computador tão comuns como o Word ou o Excel. Para a maioria das pessoas, as coisas acabaram de ficar um pouco mais difíceis.Este é o estilo de vida de Richard Stallman, um norte-americano de 63 anos reconhecido como um dos maiores programadores de todos os tempos. Há quem lhe chame o evangelizador do software livre, pela forma como manifesta as suas opiniões: chegou a caracterizar os dois sistemas operativos mais utilizados no mundo – Windows e OS X – como malware.A Renascença falou com Richard Stallman entre duas palestas em Lisboa, uma no ISCTE e outra na Web Summit. Esteve em Portugal a promover uma fundação em prol de programas de computador “verdadeiramente livres” e pediu à audiência que não coloque fotografias dele no Facebook, porque é “má ideia”. Define-se como um “resistente à vigilância”, porque a vigilância constante está a pôr a democracia em risco.Há mais de 30 anos iniciou o projecto de criar um sistema operativo complemente livre, sem qualquer tipo de custo para o utilizador. É programador informático e defensor do software livre. Que causa é esta a que se dedica de forma tão ferrenha?O software livre respeita a liberdade dos utilizadores. É software que não maltrata os utilizadores, do ponto de vista ético. Um programa oferece sempre duas possibilidades: ou os utilizadores controlam o programa ou o programa controla os utilizadores. Não há nenhuma outra possibilidade. Quando um programa é livre, significa que os utilizadores têm o controlo total sobre o programa. Em geral, são programas que fazem aquilo que os utilizadores querem que eles façam e respeitam a liberdade dos utilizadores.Concretamente, o que significa esta liberdade?Significa que o programa concede ao utilizador quatro liberdades essenciais: a liberdade de correr o programa da forma que entender e com objectivo que quiser. A liberdade de poder estudar o código-fonte do programa, ou seja, os planos que o programador utilizou para o criar e poder alterá-lo. Assim, cada utilizador pode definir livremente o que cada uma das suas cópias do programa pode fazer. Claro que a maioria dos utilizadores comuns não são programadores, por isso é preciso que o programa dê a liberdade aos utilizadores de trabalharem juntos para alterar o programa. Um programa realmente livre também permite fazer cópias quer dos originais, quer dos programas alterados. Só assim é que se pode trabalhar em conjunto nos programas.A maioria dos programas que conhecemos e usamos todos os dias não permite cópias legais.Exacto, não são realmente livres. Quando um programa não fornece estas liberdades, o utilizador não o controla, o programa controla o utilizador, e o proprietário controla o programa. O proprietário é normalmente uma empresa e essa entidade é que controla o programa, que, por sua, vez controla os utilizadores. Os programas que não são livres dão às empresas um poder injusto sobre os utilizadores. O software que não é livre é uma injustiça e, por isso, livrei-me dele na minha vida. E aconselho a todos que o façam.Para um utilizador comum de computadores é viável utilizar apenas software livre devido aos maiores conhecimentos informáticos que é preciso ter?Isso não é verdade. O software livre não é difícil de usar. Os utilizadores não precisam de ser programadores para o usar, mas é preciso que quem queira alterá-lo o possa fazer. O software livre não é mais difícil de utilizar que o software proprietário, mas como é controlado pelos utilizadores, os utilizadores podem ter a certeza que é honesto. O software proprietário é tipicamente desonesto, tem funções maliciosas que são desenhadas para maltratar o utilizador. Podem espiar e impedir o utilizador de fazer coisas. Coisas que, se calhar, o programa até tem capacidade para fazer, mas que a empresa não quer que ele faça. E muitos destes programas têm uma porta das traseiras (“backdoor”). Isto significa que a empresa pode decidir enviar um comando ao programa e ele executa uma acção que pode prejudicar o utilizador.Este tipo de prática é frequente? Pode dar um exemplo?Já vimos isto acontecer várias vezes. Por exemplo, a Amazon colocou uma porta das traseiras no seu leitor de livros electrónicos que lhe permitia apagar os livros dos leitores de forma remota. Sabemos disto porque, em 2009, muitas pessoas viram a Amazon a apagar remotamente milhares de cópias de um livro em particular. Foi um acto “orwelliano”. E sabe que livro foi? Foi o “1984”, de George Orwell. Foi de u

Fonte: Richard Stallman não tem Facebook nem telemóvel. Em nome da democracia – Renascença

The Routledge International Handbook of Philosophy for Children (Hardback) – Routledge

This rich and diverse collection offers a range of perspectives and practices of Philosophy for Children (P4C). P4C has become a significant educational and philosophical movement with growing impact on schools and educational policy. Its community of inquiry pedagogy has been taken up in community, adult, higher, further and informal educational settings around the world.The internationally sourced chapters offer research findings as well as insights into debates provoked by bringing children’s voices into moral and political arenas and to philosophy and the broader educational issues this raises, for example:historical perspectives on the fielddemocratic participation and epistemic, pedagogical and political relationshipsphilosophy as a subject and philosophy as a practicephilosophical teaching across the curriculumembodied enquiry, emotions and spaceknowledge, truth and philosophical progressresources and texts for philosophical inquiryethos and values of P4C practice and research.The Routledge International Handbook of Philosophy for Children will spark new discussions and identify emerging questions and themes in this diverse and controversial field. It is an accessible, engaging and provocative read for all students, researchers, academics and educators who have an interest in Philosophy for Children, its educational philosophy and its pedagogy.

Fonte: The Routledge International Handbook of Philosophy for Children (Hardback) – Routledge

Kaspersky avisa para comportamentos online que devem ser interrompidos – B!t Magazine

e-MarketingRedes SociaisSegurança
 

0 0 Sem Comentários

Com todas as vantagens do atual mundo conectado vêm também os desafios: a internet está cheia de cibercriminosos e os utilizadores precisam de alterar os comportamentos que criaram numa altura menos perigosa.

Há mais informações pessoais nas redes do que nunca, e por isso a Kaspersky Lab preparou uma lista com 7 comportamentos comuns e perigosos aos quais os utilizadores estão suscetíveis todos os dias. Estas ações, diz a especialista em segurança, devem ser “interrompidas imediatamente.”

1. Confiar demasiadamente no Wi-Fi aberto
Redes de Wi-Fi de uma maneira geral representam risco, começando com a confiança depositada na legitimidade dela. Por exemplo, criminosos podem criar um ponto de acesso Wi-Fi e nomeá-lo de maneira plausível como “Wi-Fi aberto McDonalds” ou “Hotel Guest 3”.

Caso tenha garantido que uma rede aberta de WiFi é o que parece, não significa que os criminosos não estejam a espiar a rede. Utilize as redes suspeitas da maneira mais segura possível: evite aceder a sites que requeiram inserção de informações de login, assim como não faça qualquer transação financeira. Nada de banco, ou compras. Se possível, use VPN.

2. Escolher senhas simples
Nomes de animais de estimação, aniversários, nomes de familiares, e coisa do género caracterizam as piores senhas possíveis. Em vez disso, tente usar opções difíceis de adivinhar (tanto a Kaspersky Lab como outras empresas têm um password checker para verificar se a senha escolhida é segura).

A boa notícia é que uma senha confiável não precisa de ser algo como ilegível como ML)k[V/u,p%mA+5m – algo completamente aleatório do qual numa se vai lembrar. Experimente técnicas de criação de senhas fortes e fáceis de memorizar.

3. Reutilizar as senhas
Finalmente encontrou uma senha incrível. Forte como um touro. Fácil de lembrar, difícil de descobrir. Adivinhe? Não pare por aí, vai precisar de mais senhas. Porque mesmo que diminua a chance de um hacker adivinhar a sua senha, a chance das suas informações serem comprometidas num hack de base de dados ainda existe, por isso não utilize a mesma senha para todos seus registos.

4. Clicar em links recebidos por e-mail
Quem imaginou que enviar links por e-mails era uma boa ideia? Bem, muita gente – incluindo criminosos. Clicar num link de spam ou phishing pode levá-lo automaticamente para um site que baixará um malware para seu computador ou para um site que pode até parecer familiar, mas que vai roubar a sua senha.

Também não clique em links que servem apenas para atrair likes. Como posts com mensagens como “goste e partilhe para ganhar um smartphone!” No melhor dos casos não ganhará nada, mas é possível que esteja a ajudar criminosos a validarem as suas práticas.

5. Fornecer informações de login a qualquer um
A única forma de ter a certeza de que ninguém mal-intencionado tenha as suas informações é mantê-las para si.

6. Avisar a Internet inteira que vai viajar
“Na praia por duas semanas – inveja?”; “A caminho do México de mañana!”; “Alguém pode cuidar do Rex enquanto fico fora por duas semanas?”; E fotos com geolocalização que mostrem o local onde foram tiradas? Mantenha essa informação apenas para os amigos confiáveis – especialmente, em meios como o Facebook que mostram a sua cidade de residência.

7. Aceitar as configurações de privacidade padrão de redes sociais
Os medias sociais fornecem grande controlo sobre o volume de informações que transmite – para o público e para suas conexões; para terceiros, entre outros. Mas talvez queira investigar melhor e acabe por descobrir que essas configurações podem mudar (como o Facebook) com certa frequência. Antes de registar uma nova conta, tire cinco minutos para ver bem as suas configurações de privacidade. Para contas já existentes, deixe de lado alguns minutos para confirmar se está a partilhar as suas informações apenas com quem quer.

“Então, antes de publicar algo para os seus amigos no Facebook, os seus seguidores no Twitter, as suas conexões no LinkedIn, ou seja, lá para quem mais queira transmitir, pense um pouco só para ter certeza de que não está a enviar a estranhos informações que possam ajudá-los a passarem-se por si ou prejudicá-lo de alguma forma”, dizem os especialistas da Kaspersky.

Na maioria das vezes vale a pena se manter alerta – e desconfiado – com a sua vida virtual, aconselha a empresa. Serviços online de provedores de Wi-Fi até bancos e redes sociais procuram fazer com que o utilizador se sinta confortável, mas para criminosos online, esta inércia é uma oportunidade de fazer dinheiro.

Lea más en http://www.bit.pt/kaspersky-avisa-comportamentos-online-devem-interrompidos/#HKSGvJZGkShY8OXC.99

Fonte: Kaspersky avisa para comportamentos online que devem ser interrompidos – B!t Magazine

Professional Essay Writing Help | SuperbPaper.com

A coisa profissionalizou-se: artigos escolares e académicos à venda a partir de €10/página.

We provide high quality essay writing services on a 24/7 basis. Original papers, fast turnaround and reasonable prices! Call us toll-free at 1-877-758-0302.

Fonte: Professional Essay Writing Help | SuperbPaper.com

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: